Quadro típico de verão dispensa alerta para incêndios florestais

152
Patrícia Gaspar, na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), em Carnaxide, Oeiras

O Governo decidiu ser desnecessário voltar a ativar a situação de alerta para responder aos incêndios florestais, uma vez que as previsões meteorológicas apontam para um “quadro de verão típico”.

Nas previsões meteorológicas para os próximos dias “o que temos é um quadro de verão típico”, disse hoje a secretária de Estado da Proteção Civil, Patrícia Gaspar, na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), em Carnaxide, Oeiras, após uma reunião por videoconferência com membros de várias áreas governativas para avaliar as condições meteorológicas e o risco de incêndio.

Da reunião, disse, concluiu-se que “não há necessidade de emitir nenhum tipo de alerta do ponto de vista político, e portanto a situação vigente, e prevista para próximos dias, está enquadrada naquilo que são os instrumentos ao dispor da ANEPC e do restante dispositivo, quer do ponto de vista da situação operacional quer da resposta”.

Patrícia Gaspar lembrou que algumas zonas do país, sobretudo no interior norte e centro, têm concelhos com risco elevado de incêndio, com a zona litoral e sul em situação menos gravosa, e alertou que se mantém em quase todo o país uma “situação de seca muito complicada”, pelo que os portugueses devem manter uma “adequação de comportamentos” sobretudo em espaços rurais e florestais.

A 26 de julho, numa reunião idêntica, o Governo já tinha tomado a mesma decisão de não voltar a ativar a situação de alerta.