Prejuízos provocados pelo mau tempo estimados em 342 milhões de euros

161
Cheias em Oeiras

Os prejuízos decorrentes do mau tempo que afetou o país em dezembro e em janeiro aumentaram para 342 milhões de euros, anunciou hoje a ministra da Coesão Territorial, adiantando que os avisos para apoios serão lançados ainda este mês.

A atualização do valor dos prejuízos foi feita esta manhã por Ana Abrunhosa no parlamento, onde está a ser ouvida pela Comissão de Administração Pública, Ordenamento do Território e Poder Local, na Assembleia da República, em Lisboa.

Durante a audição, o deputado social-democrata Guilherme Almeida confrontou a ministra sobre alertas de autarcas e presidentes de Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) que terão dado conta de valores de prejuízos superiores aos avançados pelo Governo.

Há um mês, o executivo nacional tinha anunciado que a chuva forte e persistente que caiu em dezembro e em janeiro deste ano em várias áreas do continente tinha causado prejuízos de 293 milhões de euros e que o volume dos apoios a conceder ascendia a cerca de 185 milhões.

Na resposta ao deputado do PSD, Ana Abrunhosa explicou que esses alertas foram feitos “posteriormente” ao anúncio do Governo e avançou que a totalidade de prejuízos apurados é de 342 milhões de euros. A ministra da Coesão referiu que os avisos para apoios a equipamentos e infraestruturas municipais e aos empresários serão lançados até ao final deste mês, não avançando se a verba será reforçada.

Numa resposta ao deputado do Chega Bruno Nunes, também sobre o tema das cheias e inundações, Ana Abrunhosa referiu que o Governo “recebeu reportes de danos até há pouco tempo”, justificando a atualização do valor dos prejuízos. “Há situações complexas, em que não foi possível fazer logo o levantamento dos prejuízos, porque [os locais] estavam inundados”, justificou.

Recorde-se, vários distritos do continente foram afetados por chuvas fortes entre o final de 2022 e o início deste ano, com grandes inundações, estragos em estradas, comércio e habitações, e dezenas de desalojados.

Em Algés, no concelho de Oeiras, foi registada uma morte.