Câmara de Oeiras vai avançar com medidas para prevenir cheias em Algés

456
Cheias em Algés, no concelho de Oeiras | Imagem | Foto: CMO - arquivo

A Câmara de Oeiras, vai avançar durante este ano com nove medidas que visam mitigar os efeitos das cheias na baixa de Algés, anunciou hoje a autarquia.

A instalação de comportas contra enchentes e a construção de uma estação elevatória são algumas das medidas que constam num plano preventivo de cheias e que integram um despacho assinado, pelo presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais.

Em declarações à agência Lusa, a vereadora com o pelouro da Proteção Civil na Câmara de Oeiras, Joana Batista, explicou que este plano “começou a ganhar forma” após as cheias de dezembro do ano passado que afetaram a baixa de Algés e provocaram a morte a uma pessoa.

“Nós temos duas zonas críticas na zona de Oeiras. Uma é Tercena, mas a obra vai iniciar-se em breve no que respeita ao redimensionamento da conduta de drenagem. No que respeita à ribeira de Algés, que é de facto a zona mais crítica do concelho e onde em dezembro aconteceram os maiores danos, designadamente a morte de uma pessoa”, apontou.

A autarca ressalvou que a intervenção “de fundo e definitiva passa pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que é redimensionar a ribeira de Algés”, mas que “enquanto isso não acontece” o município vai, durante este ano, avançar com várias medidas “de mitigação”.

Segundo Joana Batista, a auatrquia já se disponibilizou para financiar metade do custo da obra de alargamento da ribeira de Algés, da responsabilidade da administração central.
Até à realização dessa intervenção de fundo, vão ser nove as medidas de prevenção que o executivo pretende levar a cabo, não existindo, para já, estimativa de custo.

Assim, está prevista a instalação de comportas contra enchentes, a colocar em todos os acessos habitacionais e de comércio, e a construção de uma estação elevatória, com sistema automático de bombagem, para escoamento das águas pluviais para a ribeira de Algés, a ser instalada na Rua Major Afonso Pala.

As medidas preventivas da Câmara Municipal de Oeiras preveem, igualmente, que seja criado um sistema de alerta, através de difusão eletrónica (telefones móveis) e outro sonoro, para os habitantes das zonas de risco de cheias de Algés.

A autarquia de Oeiras pretende também fazer “um levantamento exaustivo de munícipes em situação de vulnerabilidade” e passar a efetuar, anualmente, uma vistoria à ribeira de Algés, de forma a proceder, se necessário, a trabalhos de desassoreamento.

Pretende-se ainda dotar os Bombeiros de Algés e a Proteção Civil Municipal de sistemas de retenção e encaminhamento de águas e de bombas de extração de águas.

Ainda na zona de Algés está previsto para final de julho a conclusão das obras de construção de um parque de estacionamento provisório com capacidade para 200 viaturas que, segundo Joana Batista, será a curto prazo “uma importante infraestrutura de apoio à Jornada Mundial da Juventude (JMJ)”.

“Vamos ter uma grande afluência de pessoas, visitantes, e temos de servir com zonas de estacionamento. Portanto, estamos a fazer todos os esforços para que até ao final do mês de julho esteja concluído”, perspetivou.

No entanto, a autarca ressalvou que a importância desta infraestrutura não se esgota na JMJ, dada a localização de Algés.

“A construção deste parque é fundamental porque nós temos de levar as pessoas ao transporte. Estamos na área de influência da estação que é, talvez, a mais importante da área da Grande Lisboa. Não serve só Oeiras. Serve todos os concelhos vizinhos”, atestou.
Vários distritos do continente foram afetados por chuvas fortes entre o final de 2022 e o início deste ano, com grandes inundações, estragos em estradas, comércio e habitações, e dezenas de desalojados.

Recorde-se, em Algés foi registada uma morte.

Notícias de Oeiras com Lusa