Síndrome de Apneia Obstrutiva do Sono

213
Dra. Sandra André, Coordenadora de Pneumologia nas clínicas CUF Miraflores e CUF Belém

A Síndrome de Apneia Obstrutiva do Sono, ou Apneia do Sono, é a doença respiratória do sono mais frequente, afetando 9 a 38% da população adulta, sobretudo o sexo masculino e após os 60 anos. Caracteriza-se pela obstrução repetida da via aérea superior, durante o sono, impedindo o fluxo respiratório, e representa um elevado risco para a saúde.

Quais são os principais sintomas de Apneia do Sono?
Ressonar, secura da boca, aumento da necessidade de urinar durante a noite, despertares frequentes com sensação de falta de ar e sono agitado, que geram outros problemas, como hipersonolência, cansaço, sensação de sono não reparador, dores de cabeça, redução da líbido e alterações da memória e da concentração. Estes sintomas interferem nas atividades diárias, como a condução, podendo ter consequências fatais.

Quais os principais fatores de risco?
A idade, o sexo, a existência de casos na família, a obesidade, o tabagismo e as alterações das vias respiratórias, associadas à rinossinusite, são os principais fatores de risco. Pessoas com história de patologias cardio e cerebrovasculares graves também devem ser regularmente avaliadas.

Como é feito o diagnóstico?
Em consulta, recolhe-se o historial clínico, avalia-se os sintomas relatados, observam-se as cavidades nasais, a faringe e a laringe e mede-se o perímetro cervical. O diagnóstico é depois confirmado através de um estudo poligráfico do sono noturno.

Como é feito o tratamento?
O primeiro passo é a adoção de medidas para melhorar os hábitos de sono, como a limitação do uso de tecnologias no período noturno e a redução do peso.
As opções terapêuticas podem passar pela ventiloterapia – utilização de uma máscara, durante a noite, que aumenta a pressão nas vias respiratórias e otimiza os níveis de oxigénio, melhorando o padrão de sono; cirurgia; aplicativos orais; ou terapêutica farmacológica.
Tratar a Apneia do Sono e consultar regularmente o pneumologista é fundamental, para melhorar a qualidade de vida dos doentes e prevenir complicações. Mantenha-se atento aos sintomas e não hesite em procurar ajuda especializada.